Em Pernambuco, cerca de 50 categorias declaram apoio à greve geral desta sexta

Greve geral no Recife terá ato na Praça do Derby e caminhada. Foto: CUT/ Divulgação

Cerca de 50 categorias em Pernambuco já declararam apoio à greve geral contra a Reforma da Previdência e Trabalhista marcada para a próxima sexta-feira. Instituições como a Arquidiocese de Olinda também declararam apoio à mobilização e convocaram os católicos a participaram do movimento. Com a aproximação da data, as classes estão realizando suas assembleias e aprovando a adesão ao movimento em defesa dos direitos dos trabalhadores.

Na manhã desta quarta-feira, os cerca de 1.600 trabalhadores do estaleiro Vard Promar em Suape-PE, em assembléia junto com o Sindicato dos Metalúrgicos, aderiram à paralisação. Os 3.600 trabalhadores do estaleiro Atlântico sul também vão cruzar os braços, paralisando o setor naval em Pernambuco.

Os auditores fiscais e julgadores tributários da Secretaria da Fazenda de
Pernambuco (Sefaz-PE) também aprovaram a paralisação das atividades na próxima sexta-feira. A suspensão dos serviços vai afetar todas as 26 Agências da Receita Estadual (ARE’s), a sede da secretaria, no Edifício San Rafael, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PE), além dos 15 Postos
Fiscais (PF’s).

A Federação dos Empregados do Comércio de Bens e de Serviços do Norte e do Nordeste (Feconeste) e seus 34 sindicatos filiados das regiões Nordeste e Norte declaram, no início da tarde desta quarta-feira, apoio e adesão à greve geral.

Os funcionários dos Correios realizam uma assembleia nesta quarta-feira para decidir se aderem à paralisação. A reunião está marcada para as 18h30, na sede do sindicato da categoria, no Recife. Também serão realizadas assembleias simultaneas nas cidades de Caruaru e Petrolina.

Na manhã da quinta-feira, a Central Única dos Trabalhadores em Pernambuco (CUT-PE) vai realizar uma entrevista coletiva de imprensa, às 10h, na sede da nova Central, no Edifício Círculo Católico, rua do Riachuelo, Boa Vista. Na ocasião, serão dados os informes gerais sobre a greve geral e as categorias que aderiram à mobilização.

Confira as categorias que já anunciaram que cruzarão os braços nesta sexta-feira, segundo a CUT:

Rodoviários
Metroviários
Aeroportuários
Aeronautas
Metalúrgicos
Bancários
Polícia Civil
Servidores da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe)

Servidores do Ministério Público de Pernambuco (MPPE)

Professores da UPE
Professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Trabalhadores da Previdência Social
Professores da rede municipal do Recife
Trabalhadores dos Correios
Petroleiros
Servidores Municipais do Paulista
Servidores Administrativos Fazendários
Servidores da Universidade de Pernambuco
Servidores do Poder Judiciário
Guardas Municipais do Recife
Trabalhadores em Processamento de Dados das empresas federais, estaduais, municipais e de empresas privadas.
Trabalhadores Químicos
Trabalhadores de Estabelecimentos de Ensino da Rede privada
Trabalhadores Públicos da Agricultura e Meio Ambiente do Estado de Pernambuco
Trabalhadores Portuários
Professores de Jaboatão dos Guararapes
Trabalhadores em Educação de Pernambuco
Servidores Municipais do Recife
Enfermeiros
Servidores Federais
Servidores estaduais da administração direta e indireta
Agentes Comunitários do Recife
Assistentes Sociais
Psicólogos
Farmacêuticos
Odontologistas
Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais
Agentes de Segurança Penitenciária e Servidores do Sistema Penitenciário
Auxiliares e Técnicos de Enfermagem de Pernambuco
Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal
Associação dos Profissionais de Educação Física
Trabalhadores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Trabalhadores da Construção Pesada
Trabalhadores em Asseio e Conservação
Condutores de Ambulância de Pernambuco
Sindicato dos Porteiros
Vários servidores públicos municipais, como por exemplo, de Buíque, São Bento do Uma, Bezerros, Abreu e Lima, Riacho das Almas, Iato, Exu, São Vicente Férrer, Tacaimbó. Tupanatinga, Sertânia, Moreno, Gravatá.

Ato – A greve geral de trabahadores marcada para o próximo dia 28 de abril em todo o país vai contar com ato público e caminhada no Recife. A mobilização contra as reformas trabalhistas e da previdência tem concentração às 14h, na Praça do Derby. De lá, os manifestantes sairão em caminhada em direção ao centro do Recife.

O líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT), vai acompanhar as mobilizações na capital Pernambucana. Ele deve chegar às !5h, na Praça do Derby para se juntar a representantes das sindicais CUT, Intersindical, Conlutas, Força Sindical, além das frentes de mobilização do Povo Sem Medo e do Brasil Popular, que também já confirmaram presença. “Vamos parar Pernambuco e o Brasil para dizer que não aceitamos desmonte de direitos assegurados há 70 anos, como a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) e o fim real da aposentadoria. Não vamos permitir que o Governo Temer acabe com direitos que os trabalhadores conseguiram conquistar com muita luta. Não tenho dúvida que será a maior greve geral do País desde 1980. O povo vai mostrar a sua força e dizer que não aceita essas mudanças que estão sendo orquestradas por uma elite mesquinha que quer manter e ampliar os seus privilégios e um governo ilegítimo, que está prestes a cair de tão podre’, afirmou o senador.

 

Diário de Pernambuco

Dia do Combate à Hipertensão Arterial – Saiba mais e previna-se

No Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial o blog explica um pouco mais sobre a doença e como tratá-la:

 

A hipertensão arterial sistêmica é uma doença caracterizada por altos e constantes sustentados níveis de pressão arterial. Está diretamente ligada a alterações de outros órgãos, como coração, cérebro, rins e vasos sanguíneos, que causam aumento do risco de complicações cardiovasculares.

Apesar de ser uma doença comum, possui baixas taxas de controle adequado na população brasileira e é considerada o principal fator de risco de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC). A chamada “pressão alta”, como é conhecida popularmente, está relacionada, dentre outros fatores, a idade, sexo, etnia e modo de vida.

 

Condições que aumentam o risco de hipertensão arterial

 

  1. Excesso de peso.
  2. Obesidade.
  3. Consumo excessivo de sal e álcool.
  4. Tabagismo.
  5. Sedentarismo.
  6. Abuso de alimentos ricos em gorduras saturadas e açúcares. Essa condição pode ser um gatilho para doenças como infarto, derrames, hipertensão, obesidade, diabetes e até câncer.

Diagnóstico e tratamento

 

Em geral esta doença não apresenta sintomas, sendo muitas vezes denominada como “inimigo silencioso”. O médico deve obter o quadro clínico completo do paciente, o histórico familiar e saber sobre a vulnerabilidade dos fatores de risco, além do estilo de vida, para dar um diagnóstico.

Caso o paciente tenha hipertensão arterial, deve fazer acompanhamento com o médico regularmente (pelo menos a cada seis meses) e manter a pressão arterial controlada, de acordo com cada paciente. Além do tratamento com remédio, é preciso também diminuir o peso, melhorar o padrão alimentar, reduzir o consumo de sódio (sal), bebidas alcoólicas e tabaco e fazer atividade física regularmente.

A hipertensão arterial é uma doença crônica e necessita de acompanhamento médico permanente.

 

Dicas para minimizar os riscos de infarto ou AVC

  1. Melhorar a alimentação: uma dieta equilibrada pode ser a chave para uma boa saúde. A dica é consumir mais oleaginosas (nozes, castanhas, avelãs, amêndoas e pistache), pois são ricas em gorduras boas, em especial o ômega 3, que diminuem as taxas de colesterol ruim.
  2. Dormir bem: repor as energias do dia com uma boa noite de sono é muito importante para a sua saúde.
  1. Pratique exercícios físicos regularmente: a atividade física diminui a obesidade, a hipertensão, as doenças cardiovasculares, o diabetes, além de proporcionar mais disposição e energia.

Estudos recentes comprovam que não é apenas a falta de atividade física que pode diminuir a expectativa de vida, mas também a quantidade de tempo gasto sentado. Quem trabalha sentado deve fazer alongamento e reposicionar o corpo frequentemente durante a jornada do trabalho.

  1. Cuide-se: alguns cuidados do dia a dia como controlar o peso corporal e a ansiedade, parar de fumar, cultivar bons amigos e outras atividades também podem ajudar a prevenir as doenças cardiovasculares.

STF decide que universidades públicas podem cobrar por cursos de especialização

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (26), por 9 votos a 1, que as universidades públicas podem cobrar taxas e mensalidades pelo oferecimento de cursos de pós-graduação lato sensu, aqueles que têm caráter de especialização e, ao final, dão direito a um certificado, e não a um diploma, como no caso de mestrados e doutorados. Os cursos lato sensu referem-se, por exemplo, a um MBA (Master of Business Administration).

A autorização foi concedida em um recurso da Universidade Federal de Goiás contra decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), que havia proibido a instituição de cobrar mensalidade por um curso de especialização em direito constitucional.

Como o caso tem repercussão geral, o julgamento vale para todo o sistema público do ensino superior. Ao todo, 51 processos judiciais espalhados pelo Brasil estavam suspensos, aguardando o posicionamento do STF.

O ministro Edson Fachin, relator do tema, entendeu que a Constituição de fato veda as universidades públicas de cobrarem por atividades relacionadas à manutenção e ao desenvolvimento do ensino. Para ele, porém, essas instituições têm autonomia para definir as especializações lato sensu como cursos de extensão, separadas de suas atividades principais de ensino e realizadas em parceria com a sociedade civil, sendo, portanto, passíveis de cobrança.

“Em suma, é preciso reconhecer que nem todas as atividades potencialmente desempenhadas pelas universidades referem-se exclusivamente ao ensino”, disse Fachin em seu voto. “É possível às universidades, no âmbito de sua autonomia didático-científica, regulamentar, em harmonia com a legislação, as atividades destinadas preponderantemente à extensão universitária, sendo-lhes, nessa condição, possível a instituição de tarifa.”

Acompanharam o relator oito dos dez ministros presentes no julgamento: Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia. O único a divergir foi o ministro Marco Aurélio Mello. Celso de Mello não participou.

“Não se está obrigando a que seja gratuito ou não se está obrigando ao pagamento. Apenas se está permitindo, inclusive com a universidade podendo ter cursos de extensão gratuitos, em alguns casos, e cobrados, em outros casos”, destacou Cármen Lúcia.

Em geral, os ministros a favor da cobrança, alguns dos quais lecionam no ensino superior, destacaram a situação real de precariedade das universidades públicas, que carecem de orçamento para manter até mesmo os cursos de graduação, mas não têm mecanismos legais que permitam receber contribuições e doações da iniciativa privada.

“Precisamos utilizar a inteligência criativa e pensamento original para melhorar o sistema de universidade pública no Brasil. Como dinheiro não nasce em árvore, qualquer fonte legítima, transparente, de dinheiro, é a meu ver bem-vinda”, disse o ministro Luís Roberto Barroso.

Os ministros Gilmar Mendes, Luiz Fux e Alexandre de Moraes defenderam ainda que a autorização para a cobrança poderia se aplicar também aos cursos de pós-graduação stricto sensu, aqueles que conferem diplomas e graus acadêmicos, como mestrados e doutorados, mas esse entendimento acabou vencido e tais cursos permanecem gratuitos.

Divergência

O ministro Marco Aurélio Mello considerou que o acesso para a universidade pública deve ser gratuito em todos os casos, sem distinção de curso. “Nós teremos doravante entidade híbridas, universidade que a um só tempo serão públicas e privadas, mediante a cobrança desses cursos, que se estabelece que somente estarão ao acesso daqueles que possam pagar a mensalidade.”

 

EBC

Divulgados filmes selecionados para 3ª Mostra Pajeú de Cinema

A 3ª Mostra Pajeú de Cinema divulga a seleção dos filmes que vão compor a programação de exibições de 14 a 20 de maio, em Afogados da Ingazeira, Sertão do Estado. São 37 curtas e 9 longas-metragens, totalizando 46 filmes de 10 estados, 22 deles inéditos em Pernambuco. A mostra, gratuita, acontece no Cine São José, conta além das exibições, com debates e oficinas. A curadoria é do crítico e pesquisador André Dib.

Em seu conjunto, os filmes selecionados apontam para lugares específicos onde a MPC tem buscado estabelecer sua identidade: a busca do debate político-social que se relaciona com a criação cinematográfica; e a dimensão da memória, destaque para a exibição do longa-metragem “Quelé do Pajeú” (Brasil, 1969), de Anselmo Duarte (“O Pagador de Promessas”), filme dado como desaparecido até ano passado, quando foi encontrado na Itália. Trata-se do primeiro filme rodado em 70mm e som estéreo, uma história de vingança no sertão protagonizada por Jece Valadão, Rosana Ghessa e Tarcísio Meira. Na ocasião será feita uma homenagem ao produtor do filme, Ruy Pereira.

Ainda no quesito memória, há o desejo de buscar soluções para a “casa” da MPC, o Cine São José, fundado em 1942 e que atualmente enfrenta dificuldades para continuar funcionando, pois não conta com a modernização técnica necessária para entrar na era digital. Para tanto, será concebido um programa especial, com exibições e encontros com especialistas.

Curtas – Entre os curtas exibidos pela primeira vez no estado estão, “O estacionamento”, “Ferroada”, “Não me prometa nada”, “Impeachment”, “Diamante – o bailarina” e “Vazio do lado de fora”, este último, recentemente selecionado para o Festival de Cannes. Outros importantes filmes da recente produção brasileira são “Estado Itinerante”, “Na missão com Kadu”, “KBELA” e “Solon”. De Afogados da Ingazeira será exibido o inédito “Luz, cinema, carona!”.

Longas – Até ano passado voltada para produções pernambucanas, a mostra de longas este ano amplia o foco para filmes brasileiros, apresentando pela primeira vez no estado obras urgentes como “Entre homens de bem”, uma crítica à onda conservadora que toma conta do Congresso Nacional, sob o ponto de vista do deputado Jean Wyllys; a ficção maranhense “Lamparina da Aurora”, dura e bela homenagem de Frederico Machado a seu pai, o poeta Nauro Machado; “Precisamos falar do assédio”, eficiente forma de tratar o tema de violência física e simbólica contra a mulher; e “Filme de Cinema”, uma nova abordagem para o que se convencionou a chamar de cinema infantil. De Pernambuco, “Martírio” e “Joaquim” olham de formas bastante próprias para a formação da sociedade brasileira e seus sintomas, que ecoam até hoje. Rodado no sertão do Pajeú (principalmente São José do Egito), “O silêncio da noite é que tem sido testemunha das minhas amarguras” parte do mote específico – a pessoa e os versos de Severina Branca – para fazer um panorama da poesia praticada na região.

OFICINAS

As inscrições para as oficinas da 3ª Mostra Pajeú de Cinema estão abertas e serão realizadas na semana que antecede ao evento Ao todo quatro oficinas serão ministradas na Secretaria Municipal de Assistência Social de Afogados de Ingazeira entre os dias 8 e 13 de maio: captação de som, edição, produção e crítica de cinema, distribuídas nos turnos da manhã, tarde e noite. Interessados devem preencher a ficha de inscrição, disponível no site www.mostrapajeudecinema.com.br.

A 3ª edição da Mostra Pajeú de Cinema é organizada pela Pajeú Filmes, com incentivo do Funcultura / Fundarpe, Secretaria de Cultura do Governo do Estado de Pernambuco e conta com apoio da Prefeitura de Afogados da Ingazeira, Vilarejo Filmes, Rádio Pajeú AM e Movimento #CineRuaPE.

FILMES SELECIONADOS:

* estreia no estado

** estreia nacional

Curtas

A Boneca e o Silêncio (SP, 2015, fic, cor, HD, 19’), de Carol Rodrigues*

A ilha no centro do mundo (PE, 2016, fic, pb, HD, 22’), de Felipe André Silva

A morte do cinema (BA, 2016, doc, cor, HD, 19’40’’), de Evandro de Freitas

A orelha de Van Gogh (MG, animação, cor, HD, 2016, 10’50’’), de Thiago Franco Ribeiro*

Ainda me sobra eu (PE, 2016, doc, cor, HD, 15’), de Taciano Valério

Animais (SP, animação, cor, HD, 2015, 13’), de Guilherme Alvernaz

Aqueles que ficam (PB, 2015, fic, cor, HD, 24’), de Arthur Lins

Armazém do Limoeiro (SP, 2016, doc, cor, HD, 18’), de Fábio Bardella e Filipe Augusto*

Boycóptero (PR, animação, cor, HD, 2016, 11’), de Amilr Correia*

CAMPOCONTRACAMPO (PR, 2016, doc, cor, HD, 15’), de Nathalia Cavalcante*

Confidente (RJ, 2016, fic, pb, HD, 12’), Miguel Seabra e Karen Akerman*

DaliVinCasso (SP, animação, cor, HD, 2014, 11’), de Marcelo Castro e Marlon Tenório

Diamante, o bailarina (SP, 2016, fic, cor, HD, 22’), de Pedro Jorge*

Estado itinerante (SP, 2016, fic, cor, HD, 25’), de Ana Carolina Soares

Eu queria ser um monstro (RJ, animação, cor, HD, 2009, 8’), de Marcelo Marão

Ferroada (SP, 2016, doc, cor, HD, 25’), de Adriana Barbosa e Bruno Mello Castanho*

FotogrÁfrica (PE, 2016, doc, cor, HD, 25’), de Alice Chitunda

Iluminadas (PE, 2016, doc, cor, HD, 13’), de Gabi Saegesser

Imbilino vai ao cinema (GO, 2017, doc, cor, HD, 15’), de Samuel Peregrino*

Impeachment (ES, 2016, doc, cor, HD, 15’), de Diego de Jesus*

Jornal (RJ, 2017, doc, cor, HD, 22’), de Luiz Rosemberg Filho*

KBELA (RJ, 2016, fic, cor, HD, 21’), de Yasmin Thayná

Luz, cinema, carona! (PE, 2017, doc, cor, HD, 17’), de José Alberto Júnior**

Na missão, com Kadu (PE, 2016, doc, cor, HD, 28’), de Aiano Mineiro, Kadu Freitas e Pedro Maia de Brito

Não me prometa nada (RJ, 2016, fic, cor, HD, 21’), de Eva Randolph*

Nº 27 (PE, fic, cor, 35mm, 2008, 19’), de Marcelo Lordello

O estacionamento (PR, 2016, fic, cor, HD, 15’), de William Biagioli*

O olho do cão (RJ, 2016, fic, cor, HD, 20’), de Samuel Lobo*

O voo (SP, doc, cor, HD, 2015, 11’), de Manoela Ziggiatti*

Os olhos de Cecília (RJ, fic, cor, HD, 2015, 19’), de Vitor Hugo Fiúza*

Outubro Acabou (RJ, cor/pb, HD, 2015, 23’), de Miguel Seabra Lopes e Karen Akerman

Quando os dias eram eternos (SP, 2016, animação, cor/pb, HD, 12’), de Marcus Vinícius Vasconcelos

Sessão entre amigos (PB, 2010, doc, cor, digital, 17’), de Cristhine Lucena*

Solon (MG, 2016, fic, cor, HD, 16’), de Clarissa Campolina

Tatame (RJ, 2016, doc, cor, HD, 21’, de Daniel Nolasco, Felipe Fernandes

Vazio do lado de fora (RJ, 2016, fic, cor, HD, 22’), de Eduardo Brandão Pinto*

Vento (RJ, animação, cor, HD, 2016, 14’), de Beca Furtado

 

Longas:

Entre os homens de bem (SP, 2016, doc, cor, HD, 104’), de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros*

Sinopse: Jean Wyllys é um dos deputados que transitam no Congresso Nacional atualmente. O político, que também é jornalista e professor, luta em favor das minorias, além de ser um dos maiores representantes da causa LGBT. Agora, ele expõe um período de três anos de sua rotina no âmbito público, o que provoca uma reflexão sobre uma época de polarização na política brasileira.

Joaquim (PE, 2017, fic, cor, HD, 97’), de Marcelo Gomes

Sinopse: A história dos acontecimentos e fatos que levaram Joaquim José da Silva Xavier, um dentista comum de Minas Gerais, a se tornar mais conhecido pela alcunha de Tiradentes, transformando-se em um importante herói nacional e mártir que veio a liderar o levante popular conhecido como “Inconfidência Mineira”.

Lamparina da Aurora (MA, 2017, fic, cor, HD, 75’), de Frederico Machado*

Sinopse:Nessa fábula existencial sobre o tempo, o corpo e a natureza, um casal de idosos recebe a visita de um jovem misterioso, todas as noites na fazenda abandonada em que passaram a viver.

Martírio (PE, 2016, doc, cor, HD, 160’), Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho e Tita

Sinopse: Uma análise da violência sofrida pelo grupo Guarani Kaiowá, uma das maiores populações indígenas do Brasil nos dias de hoje e que habita as terras do centro-oeste brasileiro, entrando constantemente em conflito com as forças de repressão e opressão organizadas pelos latifundiários, pecuaristas e fazendeiros locais, que desejam exterminar os índios e tomar as terras para si.

Outro Sertão (ES, 2013, doc, cor/pb, HD, 73’), Adriana Jacobsen e Soraia Vilela

Sinopse: As obras do escritor brasileiro João Guimarães Rosa são conhecidas por todo o planeta. No entanto, seus leitores mal sabem de sua experiência na Alemanha nazista entre 1938 e 1942. Trechos de cartas, imagens de arquivos e documentos demonstram que a vivência do romancista em um cenário incomum até então em sua vida contribuiu para algumas de suas produções além de transformar suas visões.

O silêncio da noite é que tem sido testemunha das minhas amarguras (PE, 2016, doc, cor, HD, 78’), de Petrônio de Lorena

Sinopse:A poesia da vida cotidiana das pessoas que vivem nas cidades de São José do Egito e Ouro Velho e Prata, que fazem fronteira com Pernambuco e Paraíba, respectivamente. Um povo cercado por histórias poéticas e de cantoria. Uma memória aos vates do sertão que enche o local com música e poesia.

Precisamos falar do assédio (SP, doc, cor, HD, 2016, 80’), de Paula Sachetta

Sinopse: O documentário é resultado de um experimento social onde, durante a semana da mulher, uma van-estúdio parou em nove locais em São Paulo e no Rio de Janeiro para coletar depoimentos de mulheres que já foram vítima de algum tipo de assédio. Ao todo, foram 140 relatos de mulheres de 15 a 84 anos, de zonas nobres ou periferias das duas cidades, que nada têm em comum além de terem sofrido alguma violência.

Quelé do Pajeú (RJ, 1969, fic, cor, 35 mm, 107’), de Anselmo Duarte

Após ver sua irmã ser violentada por um desconhecido, Clemente, mais conhecido como Quelé na região, só vê uma saída: vingar sua irmã. Quelé sai do interior do estado de Pernambuco e começa a buscar nas matas e no brejo pelo homem que desgraçou sua irmã, enfrentando grandes perigos e contratempos durante a jornada.

Um filme de cinema (SP, 2017, fic, cor, HD, 85’), de Thiago B. Mendonça*

Protagonizado por uma criança, o filme aborda o tema do que é cinema numa atmosfera de conto infanto-juvenil.

 

Chegada da água do Velho Chico reduz racionamento em Campina Grande

Com a chegada da água do rio São Francisco ao reservatório do Boqueirão, a área metropolitana de Campina Grande começa a ter o racionamento de água reduzido. O rodízio do abastecimento na segunda maior cidade da Paraíba diminuiu de quatro para três dias por semana. A expectativa é de que já nos próximos meses, as famílias da região voltem a ter água nas torneiras diariamente.

Segundo a Aesa, a agência de gestão hídrica da Paraíba, desde a chegada do Velho Chico, o volume do açude Epitácio Pessoa, que abastece Campina Grande e mais 17 cidades, subiu de 0,3 para 3,2% da capacidade. Uma alta de aproximadamente 11 vezes em relação ao volume inicial. Quando o reservatório atingir 8,2%, sairá do chamado volume morto e o governo do estado vai analisar a possibilidade de acabar com o racionamento de água.

De acordo com o Ministério da Integração Nacional, até maio o projeto São Francisco vai beneficiar mais 700 mil pessoas. Monteiro foi a primeira cidade paraibana contemplada pelo projeto e já conseguiu ampliar, na zona urbana, a distribuição de água para 100% das famílias.

Deputados da Frente de Revitalização dos Rios visita margens do Pajeú

Deputados estiveram no município de Flores, nessa segunda (24), para ouvir sugestões para recuperação do rio. Foto: João Bita/Alepe

Os deputados da Frente Parlamentar de Revitalização do Rio São Francisco e demais Rios de Pernambuco visitaram, nesta segunda (24), o município de Flores, no Sertão do Pajeú. Na prefeitura, os parlamentares receberam uma carta do Consórcio de Integração dos Municípios do Pajeú (Cimpajeú) com sugestões para a recuperação do rio de mesmo nome. Depois da reunião na prefeitura, o grupo foi até a margem do Rio Pajeú, no bairro de Catolé, região central da cidade, para observar o curso d’água.

De acordo com o prefeito de Flores, Marconi Santana, que é também presidente do Cimpajeú, a principal necessidade é tornar o rio perene para garantir o abastecimento da região. Mas esse trabalho tem que ser combinado com a revitalização das águas e o saneamento dos esgotos.“ Entregamos este documento com sugestões para que os parlamentares encaminhem ao Governo Federal, e para que nos seja informado qual seria o órgão que pode ajudar os municípios por onde passa o Rio Pajeú”, destacou.

O Rio Pajeú nasce em Brejinho, no Sertão do Pajeú, e percorre 347 km, cortando 28 municípios, até Itacuruba, no Sertão de Itaparica, onde deságua no rio São Francisco. De acordo com levantamento do Cimpajeú, o esgoto não tratado de 17 localidades vai diretamente para o Pajeú.

O coordenador da Frente Parlamentar, deputado Odacy Amorim (PT), destacou a importância da visita para agregar conteúdo ao relatório final do grupo de trabalho, que já está em fase de conclusão. “Existe um relatório que indica um índice de contaminação do rio. A gente sabe que existe uma dificuldade porque os índices de saneamento são baixos e o que a gente pretende é, no fechamento do relatório, fazer um encaminhamento em defesa dos municípios cortados pelo Pajeú” , informou.

O presidente da Comissão de Meio Ambiente, deputado Zé Maurício (PP), e o deputado Augusto César (PTB) também estiveram no encontro, que contou com a presença de vereadores e secretários municipais de Flores.

A Frente Parlamentar de Revitalização do Rio São Francisco e demais Rios já fez vistorias no Recife e na Região Metropolitana, visitando rios como o Capibaribe, o Beberibe e o Tejipió.

PRF flagra garoto dirigindo carro de prefeitura no Sertão da Paraíba

Segundo a PRF o menino estava acompanhado por homem que disse ser motorista da prefeitura de Areia de Baraúnas (PB) e padrinho do garoto. Foto: Divulgação/PRF-PB

Foi flagrada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na segunda-feira (24) uma criança de 12 anos dirigindo um carro da prefeitura de Areia de Baraúnas, Sertão da Paraíba. O flagrante foi registrado em trecho da BR-230, em Patos.

Segundo a PRF o menino estava acompanhado por homem que disse ser motorista da prefeitura e padrinho do garoto. Ele alegou que estava ensinando o afilhado a dirigir.

O adulto recebeu voz de prisão dos agentes da PRF pelo crime de trânsito de permitir, confiar ou entregar direção de veículo automotor a pessoa não habilitada. A pena para este crime é de seis meses a um ano de detenção. O valor da multa para esta infração é de R$ 880,41. Ele também foi enquadrado no crime de peculato, pelo qual, caso seja condenado, poderá pegar de dois anos a 12 anos de reclusão, além de multa.

Tarifa de energia mais cara a partir de sábado em Pernambuco

O reajuste, de 8,85%, vai atingir os 3,5 milhões de clientes da Celpe. Imagem ilustrativa

Vai ficar mais cara a partir de sábado (29) a tarifa para consumidores da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe). O reajuste, de 8,85%, foi autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e vai atingir os 3,5 milhões de clientes no Estado.

As indústrias de alta tensão terão aumento médio de 4,85%, ou seja, são aquelas empresas inseridas no grupo A1(>= 230 kV), A2 (de 88 a 138 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Já para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (Residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (Rural: subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública), cujo percentual médio a ser cobrado será de 7,62%.

Esses resultados ultrapassaram as expectativas preliminares da Aneel, que havia antecipado que os consumidores residenciais teriam possível reajuste de 2,35% e os industriais, 1,28% de incremento.

Mais de 59 milhões de brasileiros estão endividados

Imagem ilustrativa

Levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito, o SPC, em parceria com a CNDL, entidade que reúne os lojistas, revelou que o número de brasileiros endividados aumentou mais uma vez.

Com o Brasil em crise, no fim de março, cerca de 59 milhões e 200 mil brasileiros tinham alguma dívida em atraso e estavam com o nome sujo, ou seja, quatro de cada 10 pessoas com idade acima de 18 anos. Do fim de 2016 pra cá, 900 mil brasileiros entraram no cadastro de devedores.

Os especialistas responsáveis pela pesquisa destacam, porém, que o crescimento da inadimplência perdeu força, entretanto deixam claro que isso não quer dizer, necessariamente, que a economia melhorou.

Eles explicam que como não há tanto crédito no mercado e como o consumidor está sem dinheiro ou até desempregado, muita gente cortou gastos e, aí, fica mais difícil se endividar.

Brasileiros frequentam mais teatros e cinemas, diz pesquisa

Imagem ilustrativa

Pesquisa nacional divulgada nesta segunda (24) pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) sobre os hábitos culturais dos brasileiros revela que 56% dos entrevistados – o correspondente a cerca de 86 milhões de pessoas – frequentaram pelo menos uma atividade cultural no ano passado, com avanço de três pontos percentuais em comparação a 2015. Em relação a 2008, o resultado mostrou incremento de 13 pontos percentuais.

A sondagem foi feita em parceria com o Instituto Ipsos, entre os dias 30 de novembro e 12 de dezembro de 2016, com uma amostra de 1.200 pessoas, em oito capitais (Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília) e em mais 64 cidades do país.

A principal atividade mencionada foi a leitura de livros, revelando a prática por 37% dos entrevistados e aumento de seis pontos percentuais comparativamente ao início da série histórica, em 2007. Cinema foi a segunda atividade citada, com 34% das respostas e o maior aumento comparativamente à pesquisa de 2007: 17 pontos percentuais.

Pelo menos 29% dos entrevistados revelaram frequentar shows musicais,  mostrando a expansão de nove pontos percentuais ante 2007 na prática. Os frequentadores de peças de teatro aumentaram 11%, com crescimento de cinco pontos percentuais. Os que assistem espetáculos de dança aumentaram 11%, um crescimento de quatro pontos percentuais; e os que vão a exposições de arte, passaram a 11%, com aumento de três pontos percentuais em relação a 2007. No caso de museus, que começaram a ser pesquisados em 2015, as respostas totalizaram 10%, mostrando avanço de três pontos percentuais.

Avanços

O gerente de Economia da Fecomércio-RJ, Christian Travassos, disse que são avanços significativos em relação à série histórica. “Há dez anos temos acompanhado os hábitos de lazer e culturais dos brasileiros. Não há ruptura de um ano para outro mas, gradualmente, vemos uma melhora significativa. Então, aos poucos, percebemos uma melhora na frequência de ambientes culturais por parte do brasileiro”, disse o economista.

Desde o primeiro ano da pesquisa, a maior adesão a bens culturais continua sendo a leitura de algum livro ou e-book (livro digital). “É mais acessível, a gente toma emprestado.

Na listagem, é o mais representativo, disse Travassos. Ele atribuiu a maior expansão do hábito de ir ao cinema nesta década (de 17% para 34%) não só ao desenvolvimento da linguagem visual, mas também ao boom (explosão) de filmes 3D. Em paralelo, ocorreram promoções e parcerias de salas de cinema com empresas de telecomunicações e bancos, que contribuíram para facilitar o acesso do consumidor, com ingresso mais em conta.

A internet, também ajudou a dar maior visibilidade aos programas culturais. “É um complemento da atividade de lazer”, disse Christian Travassos,.

Televisão

Entre os 44% de brasileiros que não fizeram nenhum programa cultural no ano passado, a atividade mais procurada foi a televisão, com 80% das respostas. O gerente de Economia da Fecomércio-RJ destacou que o total de entrevistados que relataram não ter consumido nenhum bem cultural vem caindo de ano para ano. Em 2015, eram 47%; em 2008, 48%. Segundo Travassos, a não realização de uma atividade cultural se deve, historicamente, à falta de hábito.

O desafio é despertar o interesse de pessoas que nunca tenham lido um livro ou ido ao cinema, afirmou o gerente. “Pode ser um fator de mudança trazer crianças e adolescentes para os ambientes culturais para que isso tenha efeito entre os mais velhos. O preço das atrações culturais é uma questão secundária, até porque há muitos shows, exposições e espetáculos gratuitos.”

As atividades mais procuradas pelos que não consomem bens culturais, ao contrário, vem se ampliando. Assistir televisão passou de 52%, em 2008, para 80%, em 2016. Na mesma comparação, ir à igreja ou a algum centro religioso subiu de 11% para 24%; fazer almoço ou churrasco com amigos, de 9% para 21%; ir a bares, de 10% para 15%; e jogar futebol, de 9% para 10%.

Preços justos

O economista avaliou que o cenário econômico ainda adverso acaba impactando o lazer do brasileiro em geral. Por isso, disse ser razoável que, para manter o padrão de consumo, seja reservado um valor menor para o lazer, que não é visto como atividade essencial como ir ao supermercado ou farmácia.

Daí ser razoável que na passagem de 2015 para 2016 haja, para a maioria dos itens, uma redução de custo justo sugerido. A pesquisa revela que os consumidores declararam estar dispostos a pagar pelas atividades culturais listadas menos do que em 2015. Os preços considerados justos por eles variaram de R$ 13,31 para compra de CDs até R$ 35,61 para ingresso de shows musicais. No ano anterior, os mesmos itens tinham preços apontados de R$ 16 e R$ 41, respectivamente.

 

EBC