Mais de 59 milhões de brasileiros estão endividados

Imagem ilustrativa

Levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito, o SPC, em parceria com a CNDL, entidade que reúne os lojistas, revelou que o número de brasileiros endividados aumentou mais uma vez.

Com o Brasil em crise, no fim de março, cerca de 59 milhões e 200 mil brasileiros tinham alguma dívida em atraso e estavam com o nome sujo, ou seja, quatro de cada 10 pessoas com idade acima de 18 anos. Do fim de 2016 pra cá, 900 mil brasileiros entraram no cadastro de devedores.

Os especialistas responsáveis pela pesquisa destacam, porém, que o crescimento da inadimplência perdeu força, entretanto deixam claro que isso não quer dizer, necessariamente, que a economia melhorou.

Eles explicam que como não há tanto crédito no mercado e como o consumidor está sem dinheiro ou até desempregado, muita gente cortou gastos e, aí, fica mais difícil se endividar.

Brasileiros frequentam mais teatros e cinemas, diz pesquisa

Imagem ilustrativa

Pesquisa nacional divulgada nesta segunda (24) pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) sobre os hábitos culturais dos brasileiros revela que 56% dos entrevistados – o correspondente a cerca de 86 milhões de pessoas – frequentaram pelo menos uma atividade cultural no ano passado, com avanço de três pontos percentuais em comparação a 2015. Em relação a 2008, o resultado mostrou incremento de 13 pontos percentuais.

A sondagem foi feita em parceria com o Instituto Ipsos, entre os dias 30 de novembro e 12 de dezembro de 2016, com uma amostra de 1.200 pessoas, em oito capitais (Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília) e em mais 64 cidades do país.

A principal atividade mencionada foi a leitura de livros, revelando a prática por 37% dos entrevistados e aumento de seis pontos percentuais comparativamente ao início da série histórica, em 2007. Cinema foi a segunda atividade citada, com 34% das respostas e o maior aumento comparativamente à pesquisa de 2007: 17 pontos percentuais.

Pelo menos 29% dos entrevistados revelaram frequentar shows musicais,  mostrando a expansão de nove pontos percentuais ante 2007 na prática. Os frequentadores de peças de teatro aumentaram 11%, com crescimento de cinco pontos percentuais. Os que assistem espetáculos de dança aumentaram 11%, um crescimento de quatro pontos percentuais; e os que vão a exposições de arte, passaram a 11%, com aumento de três pontos percentuais em relação a 2007. No caso de museus, que começaram a ser pesquisados em 2015, as respostas totalizaram 10%, mostrando avanço de três pontos percentuais.

Avanços

O gerente de Economia da Fecomércio-RJ, Christian Travassos, disse que são avanços significativos em relação à série histórica. “Há dez anos temos acompanhado os hábitos de lazer e culturais dos brasileiros. Não há ruptura de um ano para outro mas, gradualmente, vemos uma melhora significativa. Então, aos poucos, percebemos uma melhora na frequência de ambientes culturais por parte do brasileiro”, disse o economista.

Desde o primeiro ano da pesquisa, a maior adesão a bens culturais continua sendo a leitura de algum livro ou e-book (livro digital). “É mais acessível, a gente toma emprestado.

Na listagem, é o mais representativo, disse Travassos. Ele atribuiu a maior expansão do hábito de ir ao cinema nesta década (de 17% para 34%) não só ao desenvolvimento da linguagem visual, mas também ao boom (explosão) de filmes 3D. Em paralelo, ocorreram promoções e parcerias de salas de cinema com empresas de telecomunicações e bancos, que contribuíram para facilitar o acesso do consumidor, com ingresso mais em conta.

A internet, também ajudou a dar maior visibilidade aos programas culturais. “É um complemento da atividade de lazer”, disse Christian Travassos,.

Televisão

Entre os 44% de brasileiros que não fizeram nenhum programa cultural no ano passado, a atividade mais procurada foi a televisão, com 80% das respostas. O gerente de Economia da Fecomércio-RJ destacou que o total de entrevistados que relataram não ter consumido nenhum bem cultural vem caindo de ano para ano. Em 2015, eram 47%; em 2008, 48%. Segundo Travassos, a não realização de uma atividade cultural se deve, historicamente, à falta de hábito.

O desafio é despertar o interesse de pessoas que nunca tenham lido um livro ou ido ao cinema, afirmou o gerente. “Pode ser um fator de mudança trazer crianças e adolescentes para os ambientes culturais para que isso tenha efeito entre os mais velhos. O preço das atrações culturais é uma questão secundária, até porque há muitos shows, exposições e espetáculos gratuitos.”

As atividades mais procuradas pelos que não consomem bens culturais, ao contrário, vem se ampliando. Assistir televisão passou de 52%, em 2008, para 80%, em 2016. Na mesma comparação, ir à igreja ou a algum centro religioso subiu de 11% para 24%; fazer almoço ou churrasco com amigos, de 9% para 21%; ir a bares, de 10% para 15%; e jogar futebol, de 9% para 10%.

Preços justos

O economista avaliou que o cenário econômico ainda adverso acaba impactando o lazer do brasileiro em geral. Por isso, disse ser razoável que, para manter o padrão de consumo, seja reservado um valor menor para o lazer, que não é visto como atividade essencial como ir ao supermercado ou farmácia.

Daí ser razoável que na passagem de 2015 para 2016 haja, para a maioria dos itens, uma redução de custo justo sugerido. A pesquisa revela que os consumidores declararam estar dispostos a pagar pelas atividades culturais listadas menos do que em 2015. Os preços considerados justos por eles variaram de R$ 13,31 para compra de CDs até R$ 35,61 para ingresso de shows musicais. No ano anterior, os mesmos itens tinham preços apontados de R$ 16 e R$ 41, respectivamente.

 

EBC

Consumidor deve ficar atento a fatores que influenciam o preço da energia

Conta de luz leva em conta custo da geração e transmissão da energia. Imagem ilustrativa

Diversos fatores podem influenciar a conta de luz e o consumidor deve estar atento às informações do setor para se programar e tentar economizar quando as condições estiverem menos favoráveis, como na vigência da bandeira vermelha, por exemplo, que encarece o preço da energia. 

A fatura de eletricidade é composta por diversos itens, como o custo da geração de energia, da transmissão, além de impostos e encargos. Todos os anos, ela passa pelo processo de reajuste, que tem como objetivo corrigir os preços cobrados pelas distribuidoras. A cada quatro anos, em média, ocorre a revisão tarifária, quando são revistas as regras de cálculo das tarifas e a transferência dos ganhos de produtividade das distribuidoras. No ano em que há a revisão tarifária, não é aplicado o reajuste anual.

Tanto os reajustes quanto as revisões tarifárias são definidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Recentemente, a agência tem estabelecido alguns percentuais negativos de reajustes, ou seja, o preço da energia para os clientes de algumas distribuidoras têm caído em vez de aumentar. Isso acontece quando a Aneel faz um ajuste dos valores que foram estimados no processo tarifário anterior.

Bandeiras

Além dos reajustes nas tarifas, desde 2015 a conta de luz sofre o impacto das bandeiras tarifárias, que refletem o custo de geração da energia. Quando chove menos, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Nesse caso, a bandeira fica amarela ou vermelha, de acordo com o custo de operação das termelétricas acionadas.

Em abril, a bandeira tarifária em vigor é a vermelha patamar 1, que significa um adicional de R$ 3 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

O presidente do Instituto Acende Brasil, Claudio Sales, explica que a bandeira tarifária não é um pagamento adicional, porque os consumidores já pagavam pelo uso das termelétricas, mas isso entrava no cálculo dos reajustes anuais. “Não é um pagamento adicional, é apenas mais alinhado no tempo com a realidade. Se você está acionando mais termelétricas hoje, está fazendo o pagamento tempestivamente, com a bandeira amarela ou vermelha.”

Indenizações

Outro fator que deverá aumentar a conta de energia nos próximos anos é o pagamento de indenizações às transmissoras de energia. O total, de R$ 62,2 bilhões, será pago pelos consumidores em oito anos. Em 2017, o impacto será de 7,17%, segundo a Aneel.

Essa indenização será necessária para remunerar os ativos das transmissoras de energia elétrica. A remuneração é uma gratificação paga pelos investimentos feitos pelas empresas que renovaram suas concessões antecipadamente em 2012, mas só recentemente a Aneel definiu como será feito o ressarcimento.

“Do ponto de vista do consumidor, isso é um incômodo absolutamente indesejável, mas é vital para a sobrevivência das empresas”, avalia Sales, lembrando que a indenização é uma consequência da Medida Provisória 579, que em 2012 determinou a renovação antecipada das concessões do setor elétrico.

Desconto

Por outro lado, os consumidores terão um alívio nas contas de luz de abril por causa da devolução de valores cobrados a mais no ano passado. Os percentuais de redução na tarifa que será aplicada em abril variam de 0,95% a 19,47% para 90 distribuidoras. 

A devolução vai ocorrer porque o custo da energia proveniente da termelétrica de Angra 3 foi incluído nas tarifas do ano passado, mas a energia não chegou a ser usada porque a usina não entrou em operação. O valor total a ser devolvido será de R$ 900 milhões.

EBC

Após atentado, França caminha para uma eleição cada vez mais imprevisível

O emprego e a situação econômica são as principais preocupações dos franceses, que escolherão um novo presidente, também ainda sob a tensão do tiroteio na Champs Élyssés. Foto: Agência Lusa/EPA/Ian Langsdon

O ataque em Paris na noite de quinta-feira (20), deixando um policial morto e três feridos, adicionou tensão ao contexto da eleição para presidente, que acontece amanhã (23). Apesar de pesquisas mostrarem que os eleitores estão mais preocupados com desemprego e a situação econômica do país, terrorismo e segurança, assim como a questão migratória, fizeram parte da agenda de campanha.

Mas é difícil prever qual será o impacto desse ataque – que está sendo investigado como terrorismo e foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico – sobre a decisão dos franceses. “Há vários fatores. Por um lado, eu tendo a dizer que o impacto será limitado, porque a França, de certa forma, já se acostumou com a ameaça terrorista”, disse Frederic Dabi, do Instituto Francês de Opinião Pública (Ifop).

Mais de 230 pessoas já morreram em ataques terroristas desde janeiro de 2015 e o país continua sob estado de emergência.

Fronteiras

A candidata da Frente Nacional, Marine Le Pen, aproveitou para reforçar sua visão dura sobre segurança e migração. Segundo ela, o controle das fronteiras nacionais precisa ser restabelecido imediatamente. Com sua plataforma nacionalista, anti-imigração, anti-globalização e anti-União Europeia, ela deve ir para o segundo turno. Se isso ocorrer, será o melhor desempenho da história do partido de extrema-direita.

Quem disputa com Le Pen a liderança do pleito deste domingo é o candidato de centro Emmanuel Macron, forte defensor da permanência da França no bloco europeu. Mais jovem na disputa, com 39 anos, ele teve uma ascensão meteórica na campanha presidencial, apesar de nunca ter concorrido a uma eleição.

Macron chegou a ser ministro da Economia do atual presidente, François Hollande, mas deixou o Partido Socialista. Agora, concorre de forma independente, com uma visão liberal da economia e progressiva em assuntos sociais.

Eleitores indecisos

De acordo com pesquisa da TV Francesa, divulgada quinta-feira, antes do ataque, Le Pen tem 22% das intenções de voto e Macron aparece logo à frente, com 25%. Se os dois chegarem ao segundo turno, a previsão é de que o centrista será eleito presidente.

Mas um elemento importante adiciona imprevisibilidade ao resultado de domingo. Um quarto dos franceses que pretendem votar diz estar indeciso. A decisão de última hora deles pode colocar na disputa pelo segundo turno outros dois candidatos que, segundo a pesquisa da TV Francesa, estão empatados com 19% das intenções de voto.

Um deles é Jean-Luc Mélenchon, líder da esquerda radical. Veterano de 65 anos, ele deu recentemente um salto nas pesquisas, com uma campanha que incluiu até o uso de hologramas para aparecer em seis comícios ao mesmo tempo. Apoiado pelos comunistas, ele promete taxar os mais ricos, reduzir a jornada de trabalho e a idade da aposentadoria. Quer também renegociar a participação da França na União Europeia.

Opções

O conservador François Fillon também está no páreo. Ele chegou a ser cotado como favorito ao vencer a indicação do Partido Republicano, mas sua campanha sofreu um revés depois que ele e a mulher passaram a ser investigados por possível desvio de dinheiro público, o que ele nega.

Apesar da queda nas pesquisas, ele voltou a ganhar apoio, com a promessa de defender os “valores cristãos” da França. Sua plataforma também mostra uma linha-dura contra terrorismo, radicalismo islâmico e imigração.

O eleitorado francês está diante de quatro opções muito diferentes. Na eleição mais imprevisível de que se tem lembrança no país, qualquer uma deles pode chegar ao segundo turno, marcado para 7 de maio.

 

EBC

João Pessoa aparece em pesquisa como a melhor capital para se viver no Nordeste

Na classificação geral a capital paraibana aparece em 12º lugar entre as capitais brasileiras. Foto: Reprodução

Neste sábado (22) a revista Exame divulgou um ranking apontando João Pessoa (PB) como a melhor Capital do Nordeste para se viver. A consultoria Macroplan realizou o levantamento e avaliou todas as capitais do país, utilizando dados coletados de órgãos governamentais da União, dos Estados e Municípios entre os anos de 2004 e 2015.

Na classificação geral a capital paraibana aparece em 12º lugar entre as capitais brasileiras. O ranking foi formado por um índice que vai de 0 a 1 – quanto mais próximo de zero, pior é a condição de vida no local. João Pessoa atingiu o índice de 0,574.

Para chegar a este resultado, a consultoria analisou os municípios com mais de 266 mil habitantes em 16 indicadores divididos em quatro áreas distintas: saúde, educação e cultura, segurança e saneamento e sustentabilidade.

Com pouco mais que 460 mil habitantes, a cidade de Macapá (AP) é a primeira na lista das piores capitais para se viver no Brasil, segundo estudo da Macroplan.

No extremo oposto está Curitiba (PR), que garantiu o primeiro lugar no ranking entre as melhores capitais do país. Segundo o estudo, a cidade tem bons resultados nas quatro áreas analisadas pela consultoria.

Tratando ainda de Nordeste, Recife, capital de Pernambuco, aparece atrás, além de João Pessoa, de Fortaleza e Salvador.

Museu Cais do Sertão, em Recife, reabre após quase um mês

Museu Cais do Sertão. Foto: Reprodução

O Museu do Cais do Sertão, em Recife, voltou a funcionar nesta sexta-feira (21). Por conta da falta de pagamento dos funcionários e de reformas, o local passou quase um mês com as portas fechadas.
Os profissionais que trabalham no local voltaram ao serviço e já estão recebendo os vencimentos. Durante o período em que esteve fora de funcionamento, o Cais do Sertão também passou por reformas no piso.

Em nota oficial, a Empetur (Empresa de Turismo de Pernambuco) explicou que houve atraso para a reabertura por conta da reforma. Confira na íntegra:
“O Governo de Pernambuco, por meio da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur), informa que a reforma do piso e limpeza do Cais do Sertão levou mais tempo do que o programado. O museu voltará ao seu funcionamento normal nesta sexta-feira (21), aproveitando a grande procura de turistas durante o feriado de Tiradentes”.

O museu foi inaugurado em 2014 e já foi fechado cerca de seis vezes, geralmente por problemas relacionados à manutenção financeira.

 

Com informações da FolhaPE

Prazo para enviar declaração do Imposto de Renda acaba daqui a uma semana

O contribuinte que ganhou mais de R$ 2.196 por mês no ano passado, incluindo o décimo terceiro salário, tem mais uma semana para acertar as contas com Leão. Acaba no próximo dia 28 o prazo para enviar a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física.

Segundo o balanço mais recente divulgado pela Receita Federal, pouco mais da metade dos contribuintes haviam cumprido a obrigação com o Fisco. Um total de 14.585.859 declarações haviam sido recebidas até as 17h de ontem (20). O número equivale a 51,5% do total de 28,3 milhões de documentos esperados.

O prazo de entrega começou em 2 de março e vai até as 23h59 da próxima sexta-feira (28). O programa gerador da declaração está disponível no site da Receita Federal. A declaração do Imposto de Renda é obrigatória para quem recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 no ano passado.

Mudanças

Neste ano, a declaração do Imposto de Renda teve uma série de mudanças. As principais são a redução da idade mínima na apresentação do CPF de dependentes (passou de 14 para 12 anos) e a incorporação do Receitanet, programa usado para transmitir a declaração, ao programa gerador do documento.

Quem deve declarar

Além de quem recebeu rendimentos superiores a R$ 28.559,70, também precisa declarar o Imposto de Renda quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil; quem obteve, em qualquer mês de 2016, ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito a incidência do imposto; ou quem realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias e de futuros.

Quando se trata de atividade rural, é obrigado a declarar o contribuinte com renda bruta superior a R$ 142.798,50. Quem pretende compensar prejuízos do ano-calendário 2016 ou posteriores ou quem teve, em 31 de dezembro do ano passado, a posse ou propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, com valor total superior a R$ 300 mil, também deve fazer a declaração.

Restituição

A Receita Federal pagará a restituição do IRPF em sete lotes, entre junho e dezembro deste ano. O primeiro lote será pago em 16 de junho, o segundo em 17 de julho e o terceiro em 15 de agosto. O quarto, quinto e sexto lotes serão pagos, respectivamente, em 15 de setembro, 16 de outubro e 16 de novembro. O sétimo e último lote está previsto para ser pago em dezembro.

Ao fazer a declaração, o contribuinte deve indicar a agência e a conta bancária na qual deseja receber a restituição. Idosos, pessoas com deficiência física, mental ou doença grave têm prioridade para receber a restituição.

 

EBC

Quatro dos cinco apps mais baixados do mundo são do Facebook

WhatsApp, Facebook, Messenger e Instagram, nessa ordem, foram os quatro aplicativos mais procurados pelos usuários. Imagem ilustrativa

Dos cinco aplicativos mais baixados do mundo, quatro pertencem ao Facebook. A relação feita pela empresa SensorTower, especializada nesse mercado, apontou que WhatsApp, Facebook, Messenger e Instagram, nessa ordem, foram os quatro aplicativos mais procurados pelos usuários entre 1 de janeiro e 31 de março de 2017. O quinto lugar ficou com o Snapchat. O domínio de 80% nas cinco primeiras posições ocorreu tanto na Google Play como na App Store.

O mercado de aplicativos grátis, desconsiderando jogos, avançou 14% entre o primeiro trimestre de 2016 e deste ano. Nesse período, a soma de downloads saltou de quase 12 bilhões para 13,5 bilhões.

O cenário é bem diferente quando o tema são as receitas geradas. A liderança ficou com a Netflix. O serviço de streaming foi o grande negócio no período, com quatro dos dez aplicativos que mais geraram receita. Pandora, Spotify e HBO Now também entraram na lista.

Papa canonizará em outubro os primeiros mártires brasileiros

Papa Francisco canonizará em outubro os primeiros mártires brasileiros, os sacerdotes André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro e o laico Mateus Moreira, além de outras 27 pessoas assassinadas em 1645. Foto: EPA/Darek Delmanowecz/Agência Lusa

O papa Francisco canonizará no dia 15 de outubro deste ano, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, os primeiros mártires brasileiros, os sacerdotes André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro e o laico Mateus Moreira, além de outras 27 pessoas assassinadas em 1645.

O anúncio foi realizado hoje (20), durante assembleia de cardeais dirigida pelo papa, onde foram definidas as datas das cerimônias de canonização de vários futuros santos.

Para que sejam canonizados, eles não necessitaram nenhum milagre, apenas o parecer positivo dos membros da Congregação para as Causas dos Santos, que reiterou o assassinato por “ódio à fé”.

Eles são os primeiros mártires e santos brasileiros assassinados entre os dias 16 de julho e 3 de outubro de 1645 pelos protestantes calvinistas holandeses instalados em Brasil naquela época.

Muitos foram assassinados em Cunhaú e Uruacu, no Rio Grande do Norte, durante uma missa dominical celebrada por André de Soveral. Eles tinham sido beatificados pelo papa João Paulo II em março de 2000, na Basílica de São Pedro.

Os mártires brasileiros serão canonizados em uma cerimônia ao lado de dois meninos mexicanos conhecidos como Mártires de Tlaxcala; o espanhol Faustino Miguez, fundador do Instituto Calasancio Filhas da Divina Pastora e o sacerdote franciscano italiano Luca Antonio Falcone.

Papa canonizará crianças que viram aparição da Virgem Maria

O papa canonizará no próximo dia 13 de maio, durante sua viagem a Portugal, Francisco e Jacinta Marto, os irmãos pastores que, segundo a Igreja católica, presenciaram, ao lado da prima Lúcia, a aparição da Virgem Maria.

O anúncio foi realizado hoje, durante assembleia de cardeais dirigida pelo papa, onde foram definidas as datas das cerimônias de canonização de vários futuros santos.

No dia 23 de março, o pontífice tinha aprovado os decretos para canonizar as duas crianças, de 9 e 10 anos, que morreram pouco depois das aparições, entre maio e outubro de 1917, e que serão as primeiras crianças não mártires declaradas santos.

Francisco viajará para Fátima onde participará dos atos em comemoração do centenário das aparições, nos próximos dias 12 e 13 de maio. A cerimônia de canonização será no sábado (13), quando está prevista uma missa multitudinária na esplanada do santuário mariano.

O milagre pela intercessão dos irmãos que pode decretar a canonização, segundo as normas católicas, é o da suposta cura de uma criança brasileira.

Francisco (1908-1919) e Jacinta Marto (1910-1920), que junto com sua prima Lúcia, que se tornou freira e a única que sobreviveu, presenciaram as aparições na Cova da Iria e foram beatificados no dia 13 de maio de 2000, por João Paulo II, em Fátima.

As três crianças portuguesas garantiram que testemunharam as aparições da Virgem, e quem revelou a elas os chamados três Segredos de Fátima, relatados por Lúcia, que morreu em 2005, para quem também foi aberto um processo de beatificação.

O papa Francisco chegará ao Santuário de Fátima na sexta-feira, dia 12 de maio, e, na base aérea de Monte Real, terá um encontro privado com o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

No dia seguinte, visitará a Basílica de Nossa Senhora do Rosário e celebrará uma missa na esplanada do santuário e onde canonizará as duas crianças. Francisco será o quarto pontífice que visitará Portugal, depois de Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991 e 2000) e Bento XVI (2010).

 

EBC