O mês de dezembro de 2017 alcançou o menor número de Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs) dos últimos dois anos (perdeu apenas para dezembro de 2015). Com queda pelo 5º mês seguido, houve 7.864 registros dessa modalidade criminal, contra 8.208 em novembro, 8.903 em outubro, 9.563 em setembro e 10.735 em agosto, quando começou a queda. Os dados da Secretaria de Defesa Social (SDS) ratificam a redução da criminalidade no segundo semestre em relação aos primeiros seis meses do ano passado.

Ao todo, o segundo semestre de 2017 teve 7.633 ocorrências de CVP a menos que o primeiro semestre. De julho a dezembro, foram 56.057 casos de roubos e extorsões, com taxa de 588 por 100 mil habitantes. Uma diminuição de 12,5% na taxa, uma vez que no período de seis meses anterior ela havia chegado a 671.

Os roubos a coletivos seguiram essa tendência, fechando o segundo semestre com 282 ocorrências a menos que o primeiro, uma diminuição de 33,4%. Dezembro notificou 79 casos, levando ao total de 562 desde julho – o período coincide com o trabalho da Força-Tarefa Coletivos, implantada em agosto pela SDS em toda a Região Metropolitana do Recife. Entre janeiro e junho, tinham sido registrados 844 assaltos a ônibus.

Em relação aos CVPs contra instituições financeiras e carros-fortes, verificou-se em 2017 uma redução de 77,6% nos furtos e de 64,3% nos roubos a caixas eletrônicos, quando comparado com 2016. Somando-se as ocorrências em caixas automáticos, carros-fortes e agências, dezembro de 2017 chegou a 4 casos, segunda menor marca do ano – superior apenas a outubro, com 3 (outubro de 2017 foi de menor incidência dessa modalidade em 50 meses).

Quanto aos roubos de veículos, dezembro apresentou o menor número de 2017, com 1.361 registros. No comparativo dos semestres, o segundo teve 9.185 veículos roubados, 12,4% a menos que o primeiro semestre (10.480). Os furtos de veículos caíram ainda mais na segunda metade de 2017: queda de 13,5%, totalizando 3.152 ocorrências.

“As estatísticas demonstram que o trabalho desenvolvido incansavelmente pelas operativas da SDS têm dado retorno à sociedade, que anseia por mais segurança. Em 2017, as polícias de Pernambuco efetuaram a prisão de 297 assaltantes de transporte coletivo e outros 105 que investiram contra instituições financeiras e carros-fortes. As operações de repressão qualificada, igualmente, têm papel fundamental na redução dos índices de criminalidade. A Operação Cerne, que abrange os bairros da Boa Vista, Soledade, São José e Santo Antônio, reduziu em 31% os crimes contra o patrimônio na região em novembro e dezembro de 2017, comparado com o mesmo período de 2016. E a presença maciça da Polícia Militar na Avenida Agamenon Magalhães foi decisiva para a diminuição de 57% nos CVPs de setembro a dezembro de 2017, em relação ao ano anterior. Também desencadeamos, no segundo semestre, as operações Papai Noel ( em centros comerciais), Têxtil (Agreste) e Verão (litorais Norte e Sul), trazendo mais tranquilidade para trabalhadores, turistas e comerciantes”, ressalta o secretário de Defesa Social de Pernambuco, Antonio de Pádua.

“É um esforço que se intensificará ainda mais em 2018, com a chegada de mais 1.322 policiais militares já no primeiro trimestre e a previsão de abertura de mais 500 vagas em concurso público. Também teremos um reforço significativo na Polícia Civil, com novos 140 delegados, 620 gentes e 90 escrivães, assim como na Polícia Científica, que contará com mais 139 peritos criminais, 130 auxiliares de peritos, 73 auxiliares de legistas, 51 peritos papiloscopistas e 40 médicos legistas. No Corpo de Bombeiros, mais 300 homens e mulheres irão concluir o curso de formação este ano. É um dos maiores investimentos no nosso efetivo, que nos trará ainda mais condições de combater a criminalidade e fortalecer a segurança para a população do nosso Estado”, completa o secretário.

CVLIs – Dezembro foi o segundo mês com menos registros de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) em 2017, com 394 ocorrências, contra 458 em novembro (queda de 13,9%) e 472 em dezembro de 2016 (-16,5%). Assim como nos CVPs, o segundo semestre do ano também reduziu os CVLIs em relação aos primeiros seis meses. Foram 323 vítimas a menos – de 2.875 para 2.552. O latrocínio foi um dos tipos de crimes que mais diminuiu nesse comparativo entre semestres. Saiu de 143 para 107 (-25,2%). Com isso, a taxa de CVLIs por 100 mil habitantes também obteve decréscimo de 11,7% de um semestre para outro: passou de 30,31 para 26,75. “Fizemos esse estudo comparativo entre os semestres para demonstrar que há uma tendência, e trabalhamos por resultados mais significativos em 2018”, avalia Pádua.

Contribuiu para esse cenário de redução o trabalho de repressão qualificada das polícias, que conseguiu prender 2.249 homicidas em 2017. Ao longo de todo o ano, 90 operações Força no Foco foram desencadeadas para prender assassinos e desarticular grupos de extermínio. Investigações de CVLIs foram descentralizadas para todas as delegacias distritais e novas divisões de homicídios foram implantadas.

A principal motivação para CVLIs continua a ser o envolvimento com tráfico de drogas, acerto de contas e outras atividades criminais, com 53,3% dos casos. Em seguida estão os conflitos na comunidade (15,5%). O latrocínio é a quinta motivação mais frequente, em 5,1% das ocorrências, seguido de excludente de ilicitude (4,1%), conflitos afetivos ou familiares (4,1%), outras motivações (1,9%) e feminicídio (1,5%). Em 48,4% dos casos, as vítimas também tinham passagem pelo sistema de justiça criminal.

MULHER – O número de ocorrências de estupros em dezembro de 2017 foi o segundo menor do ano, com 148 casos registrados nas delegacias do Estado. Em julho, haviam sido 142, o menor quantitativo dos últimos 5 anos. Em todo o ano de 2017, houve 2.134 vítimas, 8,7% a menos que em 2016 (2.311).

Na contramão dos estupros, os crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher subiram. Houve 4,3% mais registros em 2017 (33.188) do que em 2016 (31.466), apontando para uma tendência de aumento das denúncias. Em 2017, o Governo de Pernambuco implantou mais uma Delegacia da Mulher, em Afogados da Ingazeira (Sertão), passando a oferecer os serviços em 11 unidades especializadas do tipo, e também promulgou a Lei do Feminicídio. “Aumentamos a notificação, ampliamos e descentralizamos o atendimento às mulheres e, ao excluir a tipificação de crime passional, tornamos a penalidade mais dura para os agressores”, explica o secretário.

CELULAR – Em 2017, as polícias de Pernambuco conseguiram recuperar e devolver a seus proprietários 1.007 telefones celulares roubados. Lançado em março de 2017 pela SDS, o programa Alerta Celular ajudou a alavancar essas restituições. Para efetuar o cadastro no Alerta Celular, o usuário precisa acessar o site da SDS (www.sds.pe.gov.br). Na página da ferramenta, deve informar o IMEI (Identificador Internacional de Dispositivo Móvel), que é uma série de códigos numéricos que todo aparelho possui com registro na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Esse número se obtém com uma consulta à nota fiscal ou à caixa do aparelho. Além disso, é facilmente encontrado usando o teclado do próprio celular: basta digitar *#06# que o código aparecerá na tela (uma série de 15 dígitos).

Pernambuco: Dezembro tem menor índice de crimes contra o patrimônio dos últimos 2 anos
Classificado como:    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *