Roseane Borja (MDB)

Faltando oito dias para o primeiro turno das eleições em São José do Egito, a Rádio Gazeta abriu espaço para os candidatos à prefeitura. Em entrevista, na manhã deste sábado (7), a candidata Roseane Borja (MDB) falou sobre suas propostas para a cidade e fez observações relevantes sobre o atual governo do município.

A entrevista durou uma hora e foi dividida em cinco questões. Cada questão foi relacionada a um tema.

A ASCOM da candidata selecionou trechos das respostas de cada questão apresentada durante a entrevista. Veja abaixo:

Educação: “Eu considero a educação a pilastra propulsora de toda gestão. As coisas mais maravilhosas que aconteceram na minha vida profissional, até hoje, foram geradas e impulsionadas pela educação. Nós vamos fazer, a partir de 2021, uma inovação, uma revolução na educação de São José do Egito! Aplicaremos o mínimo de 30% de todo orçamento, de todas as receitas do município, serão destinados para investimentos, para custeio, da educação. Vamos universalizar a educação fundamental em tempo integral. Vamos implantar a creche em tempo integral, para as mães trabalhadoras. Vamos atender a demanda que hoje é negada! (…) Nós vamos também garantir a implantação, na rede municipal, do BGM, nós vamos dar a oportunidade aos nossos alunos do ensino fundamental de fazer intercambio para aprender outra língua, fora do Brasil. (…) Nós vamos fazer concursos, nós vamos manter vocês assistidos com salários em dia, com o piso garantido, com ascensão na carreira, com estatuto do magistério regulamentado, que está aí, motivo de conflito da categoria com a gestão. A partir de 2021, Roseane Borja e sua equipe irão governar para todos, ouvindo, debatendo e chegando a um consenso do que é melhor para São José do Egito”.

Saúde: “A saúde de São José do Egito precisa dar saltos qualitativos. Povo de São José do Egito vocês estão precisando de uma atenção básica à saúde, nós vamos investir pesadamente na atenção básica criando em território entre a atenção básica e a vigilância de saúde. Vemos que no município de São José do Egito as unidades de saúde da família, estratégias de saúde da família, elas são muito deficitárias, elas não garantem, em tempo hábil, a realização dos exames, a distribuição do medicamento básico. (…) Nós vamos implantar e construir o hospital da mulher e da criança, para que nossas gestantes sejam atendidas de forma humanizada, carinhosa, por médicos enfermeiros, assistentes sociais. Temos aqui no município uma grande incidência de mulheres que após o parto desenvolvem a depressão pós-parto, essas puérperas, elas precisam de assistência. Essa é uma questão social e de saúde pública. Nós vamos garantir o direito de ser mãe, de ser trabalhadora, com saúde, com educação para seus filhos, porque nosso compromisso é com você”.

Cultura, esporte e turismo: “Nós somos conhecidos nacionalmente, e até mundialmente, como a terra da poesia. Eu sei que nós somos um celeiro de poetas, de escritores, de pessoas que têm muita habilidade com as palavras, com a rima, e nós temos que explorar isso. Em são José do Egito não há um espaço que garanta esse título, mas nós vamos criar. Vamos construir um museu que vai acomodar todo o acervo dos nossos poetas, dos nossos escritores. Nós vamos criar, dentro da cultura, a feira de literatura de cordel. Para que as pessoas venham, e os próprios moradores, que não tem acesso, possam conhecer as obras da nossa literatura de cordel. Nós vamos criar um teatro em São José do Egito, para que as pessoas desenvolvam seu lado cênico, seu lado artístico para o teatro. Nós vamos criar espaços de leitura, já temos o projeto esquematizado – Cultura de bairro em bairro -, vamos levar cultura aos moradores dos conjuntos habitacionais. (…) Nós queremos resgatar a cultura. Queremos incentivar o turismo. Temos pontos turísticos lindos em nossa cidade, o que falta é a fomentação para que as pessoas compreendam que espaço de turismo não é só Olinda ou Paris, quero que vejam que temos pontos turísticos diferentes, que merecem ser respeitados, valorizados e conhecidos.

Assistência social: “Na área social nosso carro chefe será a assistência social voltada à emancipação. Para que você não se sinta refém de ações eleitoreiras, de assistencialismo onde você não pode dizer em quem vota porque você não vai ter acesso à sopa, ou à distribuição da sesta básica vergonhosa que estão distribuindo. Nós queremos assistir em um momento de fragilidade social, mas queremos emancipar essa parcela da sociedade que hoje viver a margem das ações das políticas de assistência social. Nós vamos criar o projeto Mulheres Empoderadas, porque são a parcela da população mais desassistida quando falamos na geração de emprego e renda. Nós vamos levar a elas o empreendedorismo, para que essas mulheres gerem suas rendas a partir do espaço em que elas estejam. Eu digo a você que nós vamos construir, no conjunto habitacional, nas áreas públicas, três boxes para as mulheres comercializarem seus produtos. Vamos incentivar, o que falta é uma orientação técnica. Nós vamos disponibilizar para essas mulheres, em forma de microcrédito, com a contrapartida do pagamento, apenas que elas insistam e mantenham seus micronegócios funcionando! Nós vamos disponibilizar o financiamento dessa infraestrutura para você se tornar uma empreendedora. Nós vamos criar cursos profissionalizantes, após a conclusão vamos disponibilizar os microcréditos para que elas tenham condições de implementar seus negócios. Tem outro programa, que é o carro chefe, o bolsa família municipal. Não é um programa assistencialista, é um programa de complementação de renda para as famílias que estão em extrema pobreza. Vamos disponibilizar esse auxilio emergencial, garantindo esse recurso por meio da redução do número de secretarias, e vamos economizar para disponibilizar para essas famílias que tanto precisam”.

Agricultura: “Esse é um dos pilares que sustentam a economia municipal. Eu tenho visitado espaços rurais com terras pequenas e fiquei encantada com a quantidade de produtos produzidos em terrenos pequenos. Nós vamos criar para a agricultura familiar, o programa do PAA municipal. Nós vamos garantir a aquisição desses produtos com o preço de mercado, tirando o atravessador do caminho do agricultor. Para que seja distribuído na merenda escolar, nos programas sociais, no hospital, no lar do idoso, e nas demais instituições que carecem dessa ajuda do poder público. Vamos criar os terreiros produtivos para que os agricultores cultivem hortaliças, frutas, sabendo que vão ter um espaço para comercializar essa produção. Nós vamos incentivar a expansão dessa produção para que São José do Egito seja abastecida e o excedente seja exportado para os municípios vizinhos. Nós vamos ter um centro de comercialização onde esses produtores venderão direto ao consumidor, e isso vai gerar mais preço para o agricultor, que não vai ter que dividir seu lucro com o atravessador, e o consumidor também vai comprar mais barato porque não terá que custear o lucro do produtor e o lucro do atravessador. Vamos construir um reservatório para fazer a irrigação. Vamos construir pequenas barragens. Vamos criar sistemas simplificados! São José do Egito não tem água encanada em todos o município. Eu sinto que o povo de quer virar essa página”.

Eleições SJE: Roseane Borja fala sobre suas propostas em programa de rádio
Classificado como:            

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *